Bandido da Maré que executou rival com golpes de machado e expulsou policiais de favela permanece em liberdade

Permanece solto apesar de ter cometido crimes graves há vários anos Jorge Ribeiro, o Zidane ou Bodinho

Ele seria atualmente o gerente das bocas de fumo da Favela Nova Holanda, no Complexo da Maré, na Zona Norte do Rio.

No dia 03 de junho de 2011, entre 4 e 5h, na localidade conhecida como ´Chiqueiro´, interior da Nova Holanda, Zidane e comparsas mataram Wladmir Augusto da Paz dos Santos, vulgo Mimi, a golpes de machado.

O crime foi praticado por motivo torpe, pois os denunciados, todos integrantes da autodenominada facção criminosa Comando Vermelho, inconformados com o fato de a vítima ter ingressado no tráfico de drogas da Favela Baixa do Sapateiro, explorada por grupo rival (TCP – Terceiro Comando Puro).

O bando decidiu decidiu matá-lo, mutilá-lo e expor os pedaços do corpo pelas ruas da Favela Nova Holanda como forma de ameaça velada a eventuais ´traidores´.

O crime foi praticado por meio cruel, bárbaro, brutal, causando desnecessário sofrimento à vítima, vez que foi morta aos poucos, numa sequência de atos mutilatórios que, ao final, deram causa à sua morte. O homicídio foi cometido mediante traição, dificultando a defesa da vítima, posto que o primeiro denunciado, fazendo-a crer que os integrantes do grupo criminoso ao qual originariamente pertencia – Comando Vermelho – haviam-na perdoado, atraiu Mimi até a ´divisa´ entre as duas comunidades.

No local, eles desferiram um tiro na perna da vítima, impossibilitando sua fuga e permitindo que a arrastassem até um lugar conhecido como ´Chiqueiro´, para onde foram chamados os demais denunciados, todos líderes do tráfico de drogas da localidade, que ordenaram sua morte.

Após a mutilação da vítima, os bandidos´desfilaram´ com os pedaços do corpo da vítima pelas ruas da comunidade. Expuseram a cabeça presa a um cabo de vassoura, enterraram-lhe a lâmina do machado e simularam que lhe acendiam um cigarro, em atitude de completo desprezo e escárnio, vilipendiandoo cadáver. Objetivando dificultar a comprovação do crime, os denunciados, com consciência e vontade, em comunhão de ações e desígnios, recolheram os pedaços do corpo da vítima e ocultaram o cadáver em local, até então, incerto e não sabido.

Zidane teria comandado em 2015, a invasão com pelo menos 30 traficantes, portando fuzis e granadas, na Comunidade Parque Cristovão Colombo, em Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, onde foram expulsos de suas casas seis policiais militares e um policial civil, que precisaram sair às pressas de suas residências. Os policiais tinham seus nomes numa lista feita pelos traficantes de pessoas marcadas para morrer na região.

A invasão foi realizada porque os criminosos queriam estender os pontos de venda de drogas de favelas vizinhas para a comunidade invadida. Eles chegaram à comunidade por volta das 19h, falando que: ?Se tiver polícia ou ?alemão? – apelido dado a traficantes de facções rivais -, vai morrer?. Até moradores que eram amigos dos policiais foram ameaçados.

Quem tiver qualquer informação a respeito da localização do acusado ainda em liberdade, favor informar pelos seguintes canais: Whatsapp ou Telegram do Portal dos Procurados (21) 98849-6099; Central de Atendimento do Disque Denúncia (21) 2253-1177; através do Facebook/(inbox), endereço: https://www.facebook.com/procurados.org/; e pelo aplicativo Disque Denúncia RJ. Visite também o Instagram oficial do Portal dos Procurados ? portal.procurados-.