AssaltoCasos de Polícia

Como agia quadrilha de ladrão de cargas flagrado em mansão milionária em Rio das Ostras

Carlos Henrique da Silva, conhecido como Almôndega, chefe de ladrões de cargas que foi preso em uma casa de R$ 2 milhões em Rio das Ostras, no fim de semana, era especialista em roubar material da empresa Souza Cruz. Ele responde a pelo menos seis processos na Justiça de Macaé, no Norte Fluminense, desde 2018.


Em um dos roubos, a quadrilha levou o equivalente a R$ 124.303,04 . O funcionário da empresa lesada conduzia um caminhão da empresa Souza Cruz em plena via pública da cidade, quando foi abordado pelos bandidos que emparelharam o veículo que estavam, uma Ford Ranger, e mediante palavras de ordem e porte de arma de fogo, anunciaram o roubo e determinaram que o caminhão da vítima seguisse sentido um condomínio no bairro Horto, onde a carga foi subtraída. A vítima foi deixada no local e, após a fuga dos roubadores, se dirigiu à sede da empresa em à 123 DP, onde comunicou os fatos.

Em outro caso, o bando denunciados teriam subtraído uma carga de cigarros, avaliada em R$171.532,91, que estava em um caminhão pertencente à empresa Souza Cruz Ltda.. A vítima afirma que teria sido abordada pelos suspeitos em plena via pública de Macaé, em frente à antiga sede da Fiat, e mediante as ameaças e ordens, sob a mira de uma arma de fogo, teria sido levada para local afastado, às margens da BR-101, onde a carga foi retirada do caminhão baú e foi colocada em um veículo Sorento branco, que aguardava no local e era conduzido por Carlos Henrique.

Em mais um roubo relatado, o grupo teria subtraído várias cargas de cigarro pertencentes à empresa Souza Cruz Ltda. e avaliadas em R$319.975,56. Segundo a investigação, em resumo, dois funcionários da empresa lesada teriam sido abordados pelos denunciados assim que chegaram à firma.

Os denunciados, mediante emprego de arma de fogo e palavras de ordem, anunciaram o roubo, mantiveram as vítimas sob o domínio exercido por armas de fogo, transportaram as res furtivas no veículo da empresa e, em uma localidade às margens da BR-101, colocaram a carga subtraída em um outro veículo e empreenderam fuga. As vítimas foram deixadas no local e, após a fuga dos roubadores, se dirigiram à sede da empresa e comunicaram os fatos.

Mostrar mais
Botão Voltar ao topo