Casos de PolíciaOperação PolicialPrisão

DÃO DA PROVIDÊNCIA (CV) FOI PRESO

Policiais civis da 33ª Delegacia de Polícia (Realengo) prenderam na noite da última segunda-feira (4) Evanilson Marques da Silva , Dão, chefe do tráfico no Morro da Providência, na Região Central do Rio.

Dão foi pego na casa da sua amante, No momento da prisão, ele portava uma pistola 9mm, e foi atuado na hora por porte ilegal de arma. Ele estava procurado e foragido desde 2011, quando recebeu uma liberdade condicional.

Ele assumiu o controle das bocas-de-fumo da Providência depois que seu irmão Leonardo Marques da Silva, o Sapinho (já falecido), foi preso.

Além da atuação no tráfico, Dão é suspeito de coordenar um assalto, um setembro de 2006, à Viação São Sebastião, na Gamboa, de onde foram levados R$ 55 mil. Na época ele já era investigado pelo Centro de Inteligência da Marinha (CIM) por suposto envolvimento no ataque e roubo de um fuzil FAL de um sentinela no 1º Distrito Naval, na Praça Mauá, em 2002. Ele chegou a ser preso em 2003, mas, por falta de provas, a Justiça determinou sua soltura.

Dão é acusado de envolvimento nas mortes do PM Marçal Teles Brito e de Anderson da Silva Gomes, cabo fuzileiro da Marinha.

No dia 6 de outubro de 2018, por volta das 22h, na localidade conhecida como Pedra do Sal, próximo da Rua Sacadura Cabral, no bairro da Saúde, integrantes da quadrilha de Dão efetuaram disparos de arma de fogo contra as vítimas causando-lhe as lesões que, por sua natureza e sede, foram a causa eficiente de suas mortes.

Ainda segundo processo, o crime foi perpetrado por motivo torpe, uma vez que serviu para cumprir a Lei do Tráfico, objetivando demonstrar o poder da facção criminosa Comando Vermelho – CV, O crime foi cometido mediante recurso que tornou difícil a defesa dos agentes, considerando que as vítimas estavam a caminho dos bares da localidade conhecida como Pedra do Sal, quando foram surpreendidas pelos traficantes, sendo alvejados fatalmente em razão de terem sido reconhecidos pelos criminosos..

Mostrar mais
Botão Voltar ao topo