Casos de PolíciaComando VermelhoDenunciaGuerra entre facçõeshomicídioinvestigação

Doca e Urso (CV) são acusados de mandar torturar e matar trabalhador por acharem que ele era espião do TCP

Os traficantes Edgar Alves de Andrade, o Doca, e Pedro Paulo Guedes, o Pedro Bala ou Urso, que comandam o Complexo da Penha, estão sendo acusados de mandar matar um trabalhador em novembro do ano passado por acreditar que ele espionava membros da sua quadrilha a serviço de bandidos rivais da Cidade Alta.  

Narra a denúncia que, na manhã de 13 de novembro de 2020, por volta de 7h45min, em frente ao prédio residencial situado na Rua Maragogi nº 164, nesta cidade, pessoas não identificadas, dolosamente, com inequívoco intento homicida, previamente ajustadas com a liderança da organização criminosa que explora o tráfico de drogas no Complexo de Favelas da Penha, arrebataram o trabalhador Juan Rodrigues de Souza, levando-o até um local conhecido como Cabaré, na Rua Aimoré, no mesmo bairro, onde ele foi completamente subjugado e torturado até a morte. 

Ademais, no dia seguinte, os criminosos destruíram o corpo da vítima, colocando o cadáver no automóvel Hyundai placa KYX 6154 1 , que foi abandonado e incendiado na Rua Tanagra, em Olaria, nesta cidade. 

Consta da denúncia que as diligências investigatórias, procedidas na fase pré-processual, demonstram que Edgar Alves de Andrade, vulgo Doca (´dono do morro´, e Pedro Paulo Guedes, vulgo Pedro Bala (´gerente principal´), líderes da facção criminosa autodenominada Comando Vermelho, com amplo e total domínio dos fatos determinaram a prática dos crimes hediondos acima descritos, por acreditarem que a vítima, morador de conjunto habitacional (Cidade Alta, em Cordovil) controlado por facção criminosa rival, espionava os traficantes do Complexo da Penha. 

A companheira de Juan disse que foi a casa da mãe dele para saber do paradeiro do mesmo; que no local viu que o carro placas : QBH2971 de seu esposo estava a porta da casa da mãe dele , que então chamou um chaveiro e recuperou o celular de seu esposo que estava dentro do carro ; Que foi até a Boca da localidade conhecida Cabaret do AimorÉ aonde é dominada pela facção CV e pediu para falar com Doca ou Pedro Bala  e havia 10 traficantes armados de fuzis e pistolas e disseram que nada sabiam e ai a declarante desceu e uma moradora local disse que o esposo dele estava em local que tinha outra boca de fumo , que estavam batendo muito nele , que foi então na segunda Boca e antes de chegar viu o carro de seu marido de placas QBH2971 passar em alta velocidade com quatro traficantes fortemente armados com fuzis e então chegou na segunda boca aonde viu quatro elementos do tráfico com fuzis e pistolas que são do CV ainda sob o comando de Doca e nesta boca foi maltratada e mandaram lhe ir embora e antes de irem embora viu o carro placas : QBH2971 no alto em posse dos traficantes e então um deles disse ao falar no rádio que o seu esposo estaria desovado em uma Kombi na estradinha que então foi ao local e nada tinha ; 


Que então ao voltar para a segunda Boca o carro tinha sumido e o traficante mandou ela ir embora do local e quando estava descendo recebeu a ligação de sua prima que tem um companheiro envolvido com o tráfico de drogas local que mora em Vigario Geral que é da Facção terceiro comando que lhe disse ; Sai daí, sai daí, que a informação é que tinham matado o marido dela ; 

Que não tem outras informações acerca do fato , que caso seu esposo tenha morrido deseja achar o corpo do mesmo. Que a informação que chegou a ele que em virtude de um ataque do TCP feito na Rua maragogi em 30/10 ondee morreram quatro rapazes do trafico local pertencente ao CV , que o trafico daquela região sabendo que o seu marido visitava a mãe dele , teriam achado que o mesmo ia ao local para levantar informações para o TCP da Cidade Alta .

Mostrar mais
Botão Voltar ao topo