Casos de PolíciaComando VermelhoDenunciaGuerra entre facçõesmilíciaOperação Policial

DOSSIÊ PRAÇA SECA: Confira todos os detalhes da guerra que atormenta moradores

Desde o início do ano de 2021, a Central Disque Denúncia já recebeu mais de 50 informações das comunidades da Praça Seca, Zona Oeste do Rio, referentes a guerra entre traficantes da facção criminosa Comando Vermelho e milicianos que atuam na região.


As informações se intensificaram após o dia 21 de janeiro quando traficantes do Comando Vermelho denominados integrantes do “Bonde do Marreta”, “Bonde do Urso” e “H.O”, invadiram o Morro da Barão conseguindo conquistar a parte alta da comunidade
se instalando na mata que liga as comunidades Lemos de Brito e Saçu, que atualmente também estão ocupadas por integrantes do Comando Vermelho.

Por sua vez, os milicianos liderados por “Macaquinho” procuraram ajuda dos=traficantes do Morro da Serrinha, liderados pelo conhecido Lacoste para retomar o território perdido. Existe uma parceria entre Lacoste (TCP) e a milícia do Macaquinho (Fubá e Campinho).


Na madrugada do dia 26 de janeiro, os traficantes do CV tentaram entrar nos morros do Bateau Mouche e Caixa D’água, áreas sob o domínio de milicianos. Ocorreu outro intenso tiroteio.

Os conflitos chamaram a atenção da polícia que ocupou na parte da manhã as comunidades da Praça Seca.

Os traficantes do Comando Vermelho fugiram em direção
a mata e os milicianos se refugiaram em outras comunidades.


Com o término da operação policial, os milicianos retomaram os seus postos no morro da Barão e os traficantes recuaram.

No dia 29, os traficantes do Comando
Vermelho conseguiram novamente entrar no morro da Barão.

Durante todo o mês de fevereiro, ocorreram vários confrontos entre traficantes e milicianos na região da Praça Seca, Cascadura, Quintino, Água Santa e Campinho.

A guerra pelo domínio de territórios ocorre além da Barão, no Morro São José Operário, Morro da Caixa D’água, Morro do Fubá, Saçu, Morro do Dezoito e Lemos de Brito.


Essa guerra não é recente, os conflitos na região já ocorrem há bastante tempo.

No passado este território era reduto do Comando Vermelho e desde que a milícia começou a se expandir na Praça Seca, os traficantes do CV tentam a qualquer custo retomar as comunidades.


É bem provável que novos confrontos irão acontecer, a situação nas
comunidades está indefinida e o que percebe é que os milicianos da quadrilha de Macaquinho estão a cada dia perdendo espaço na região.

OS ENVOLVIDOS

Honório Pereira de Jesus, o HO é ligado a facção Comando
Vermelho, integrante da quadrilha do traficante Edgard
Alves de Andrade, o Doca da Penha, um dos líderes do
tráfico de drogas da Vila Cruzeiro, no Complexo da Penha,
Zona Norte do Rio.Era integrante da facção ADA e recentemente passou a
servir a facção CV. Tenta retomar o Morro do 18, em Água
Santa, na Zona Norte do Rio.


Pedro Paulo Guedes, o Pedro Bala ou Urso , traficante do
Complexo da Penha, ligado a facção Comando Vermelho.
Sua quadrilha é denominada como Tropa do Urso.


Luiz Cláudio Machado, o Marreta, foi preso em Assunção,
onde levava uma vida de luxo e de onde comandava o tráfico
em comunidades cariocas e ordenava mortes de policiais e
ataques a UPPs. Integrante da facção criminosa Comando
Vermelho.

Edmilson Gomes Menezes, o Macaquinho é ligado a grupo
paramilitar que domina as comunidades de Morro da Rua
Barão, Chacrinha, Fubá, Jordão e do Campinho, em
Jacarepaguá, Zona Oeste do Rio de Janeiro.

Mostrar mais
Botão Voltar ao topo

Adblock detectado

Encontramos um bloqueador de anúncios em seu navegador. Desabilite-o para navegar