Casos de PolíciamilíciaOperação PolicialPrisão

ECKO É MORTO

O miliciano Wellington da Silva Braga, o Ecko, líder do maior grupo paramilitar do Rio, foi morto neste sábado (12), na comunidade Três Pontes, em Paciência, na Zona Oeste da capital. fluminense, durante troca de tiros com policiais civis ,

Ele portava fuzil e chegou a ser socorrido mas veio a óbito, segundo a TV Globo e a Band News TV. Ele estava na casa de parentes.

A operação, batizada de Dia dos Namorados, é parte da Força-Tarefa de Combate às Milícias, criada em outubro de 2020, com o objetivo de asfixiar o braço financeiro das organizações criminosas.

A ação deste sábado foi coordenada pelo Departamento-Geral de Polícia Especializada (DGPE), com apoio da Delegacia de Repressão aos Crimes Contra a Propriedade Imaterial (DRCPIM), da Delegacia de Defesa de Serviços Delegados (DDSD), da Delegacia de Roubos e Furtos de Cargas (DRFC), da Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas e Inquéritos Especiais (Draco), da Subsecretaria de Inteligência (Ssinte), da Coordenadoria de Operações e Recursos Especiais (CORE) e do Serviço Aeropolicial (SAER).

O governador do Rio, Cláudio Castro, elogiou a ação:

“Hoje é um dia importante. Demos um golpe duro nas facções criminosas do Estado. Parabéns @PCERJ pela operação cirúrgica e sigilosa que capturou o Ecko, miliciano mais procurado do Brasil”, disse em sua conta no Twitter.


O grupo de Ecko domina áreas nos bairros de Santa Cruz,, Campo Grande, Cosmos e Paciência na Zona Oeste do Rio, onde faturaria mensalmente cerca de R$ 15 milhões fruto principalmente das extorsões contra comerciantes, moradores e motoristas do transporte alternativo e cigarros contrabandeados do Paraguai.

O bando também domina áreas em Itaguaí, outros municípios da Baixada Fluminense e, recentemente, entrou também em Jacarepaguá.

Ecko é acusado de homicídios, recrutar ex-traficantes para integrar sua quadrilha e de pagar propinas a agentes públicos.

Ele assumiu o comando da Liga da Justiça em 2017 depois da morte do seu irmão, Carlos Alexandre da Silva Braga, o Carlinhos Três Pontes.

Mostrar mais
Botão Voltar ao topo