Casos de PolíciaComando VermelhoinvestigaçãoPrisão

Ex-secretário prisional ajudou na volta de Tineném ao RJ alegando que preso não era perigoso apesar de penas de 60 anos de prisão

O ex-secretário de Administração Penitenciária do Rio de Janeiro Raphael Montenegro também interviu no processo de execução do preso Rodrigo da Silva Rodrigues (vulgo Tineném), opinando de forma favorável ao retorno dele para cumprimento do restante da pena no Rio de Janeiro.


Ele foi o único, com a exceção da própria defesa do apenado, a se manifestar favoravelmente ao regresso do apenado, contrariando pareceres técnicos elaborados tanto pela Policia Civil do Estado do Rio de Janeiro, quanto pelo Ministério Público fluminense a respeito do perfil criminal daquele detento.


  Raphael concluiu favoravelmente pelo retorno do preso ao sistema prisional do Estado do Rio de Janeiro, afirmando categoricamente que “não foi constatado qualquer indício de que o retorno dele ao Estado de Janeiro, tenha capacidade de interferir negativamente no comportamento do efetivo carcerário da facção criminosa ao qual pertence ou mesmo no sistema de segurança pública extramuros mesmo porque as principais lideranças da região onde mantinha atuação criminosa há muito se encontram custodiadas no sistema penal do Estado do Rio de Janeiro”. 


Entretanto, de acordo com a polícia, embora Raphael Montenegro tenha mencionado que a pena de “Tinenem” é de 20 anos de reclusão, há elementos objetivos apontando para um somatório de penas superior a 60 anos de prisão, eis que foi condenado nos autos da ação penal nº 0134567-69.2014.8.190002 à pena de 60 anos e 02 meses de reclusão pelos crimes de homicídio qualificado e de tentativa de homicídio (07  vezes).

Acrescenta ainda a polícia que, não obstante o agente estatal tenha dito que aquele detento não exerce função de liderança dentro da facção criminosa, há elementos objetivos (pareceres da Polícia Civil e do Ministério Público Federal) apontando justamente o contrário, ao indicarem que a sucessão e funcionamento da criminalidade da comunidade do Caramujo, em Niterói, passam pelo crivo e aprovação de “Tinenem”.

Mostrar mais
Botão Voltar ao topo