Casos de PolíciaDenunciainvestigaçãomilíciaOperação PolicialPMRJPrisão

EXCLUSIVO: Homem que se diz ex-militar e participou de um sequestro em 2020 junto com PMs a serviço da milícia da Carobinha foi preso e condenado esse ano acusado de pertencer ao grupo de Zinho. VEJA OS DETALHES

Um ex-militar que participou de um sequestro em 2020 em Campo Grande junto com dois policiais militares foi preso este ano e condenado a quatro anos de prisão acusado de fazer parte da milícia que atua na Carobinha, em Campo Grande, na Zona Oeste do Rio. 

O processo sobre o sequestro, que teve o envolvimento da milícia também,  ainda não teve sentença.

A vítima do sequestro saiu de uma boate em Bangu e quando chegava em sua residência teria sido surpreendida por quatro indivíduos encapuzados. 

Consta que os elementos teriam entrado e subtraído diversos bens e documentos. Dois dos sequestradores estariam portando armas de fogo e um deles teria um distintivo policial dourado preso na cintura . 

Os meliantes teriam sequestrado um rapaz e permanecido com ele por cerca de quatro horas , obrigando-o a ligar do telefone de sua mãe( telefone este que teria sido subtraído pelos meliantes durante a empreitada criminosa) para o seu irmão e exigido o valor de R$50.000,00. Assevera que após meia hora o valor teria sido majorado para R$200.000,00 . Após cinco horas, a vítima não teria conseguido mais contato com seu irmão, e teria sido liberada. A vítima teria sido entregue um pedaço de papel constando o número de telefone, sendo-lhe dito para fazer contato e realizar o pagamento. 
A vítima e seus familiares teriam continuado a receber ameaças, exigindo o pagamento do resgate, para que não houvesse novo sequestro e com consequências mais drásticas. 

Em 07/03/2020, Decisão do Plantão Judiciário deferiu a interceptação telefônica de quatro números, objetivando a localização dos supostos sequestradores e extorsionários.Foi deferida a prorrogação da interceptação telefônica e telemática e a quebra de sigilo de dados dos terminais Com isso, foi identificado que os números interceptados estariam relacionados supostamente a integrantes de milícia armada, com a presença de policiais militares, na localidade da Carobinha, Cachoeirinha, em Campo Grande e suas adjacências. 

Os aparelhos de telefones celulares subtraídos da vítima e de sua mãe foram utilizados por membros da milícia e seus parentes, sendo identificados durante a interceptação telefônica. 
Este ano, um dos participantes do sequestro, que se revelou ex-integrante das Forças Armadas, foi preso na Rua Mauro Leão, em Campo Grande.

Segundo consta dos autos, policiais militares receberam denúncia anônima acerca de três elementos, em um veículo Renault Logan, cor branca, que estavam realizando a cobrança de taxas dos comerciantes na via. Os agentes da lei procederam ao endereço informado, oportunidade em que puderam avistar o veículo com as mesma características fornecidas, bem como o momento em que um elemento desceu do carro, adentrou em uma loja, pegou certa quantia com o comerciante e saiu do estabelecimento, voltando para o interior do carro.

 Os PMs realizaram a abordagem sendo certo que o homem que se revelou ex-militar estava na condução do carro,  portando uma arma de fogo da marca Taurus, calibre 40, carregada com dez munições e um carregador com mais dez munições, além de um cordão com a inscrição ´220 Carobinha, que se refere a milícia do Zinho.

Em depoimento, ele disse que comprou uma arma em uma feira de Campo Grande e falou que, por ter sido militar e estar sendo acusado de ser miliciano, estaria sendo ameaçado de morte no local onde morava que era dominado pelo tráfico de drogas. Falou ainda que trabalhava vendendo roupas e tênis na mala de seu carro.

Mostrar mais
Botão Voltar ao topo