Homem armado com faca invade TV Globo e faz repórter refém

Um homem invadiu a sede da TV Globo, no Jardim Botânico, na Zona Sul do Rio, e fez uma repórter refém na tarde desta quarta-feira. 

Segundo informações preliminares, ele – que não foi identificado – teria entrado no prédio com uma faca, alegando querer ver a apresentadora Renata Vasconcellos.

Sem conseguir, ele teria sequestrado a repórter Marina Araújo. 

A Polícia foi acionada e negociou com o homem, que se entregou. 

A Assessoria de Imprensa da Secretaria de Estado de Polícia Militar informa que, na tarde desta quarta-feira (10/6), um homem portando uma faca fez uma mulher refém nas proximidades do prédio de uma emissora de TV no Jardim Botânico. Na sequência ele forçou a entrada na emissora reivindicando falar com uma jornalista. O 23ºBPM foi acionado e iniciou a negociação já dentro do prédio. O próprio comandante da unidade estabeleceu dialogou com tomador de refém e o demoveu da iniciativa. A vítima foi libertada sem ferimentos. O preso foi conduzido à 15ª DP (Gávea) para registro dos fatos.

Em comunicado aos funcionários, a emissora divulgou a seguinte nota:

“Na tarde desta quarta-feira, um homem invadiu a sede da TV Globo, no Jardim Botânico, portando uma faca. Ele fez a repórter Marina Araújo refém. A segurança da Globo rapidamente agiu, isolou o local e chamou a PM. O comandante do 23° batalhão da corporação, coronel Heitor Henrique Pereira, compareceu rapidamente à emissora e conduziu a negociação. O homem, que ameaçava a jornalista, liberou a repórter após alguns minutos. Marina e todos os funcionários que estavam no local não se feriram e passam bem. A Globo repudia com veemência todo tipo de violência. Foi obra de alguém com distúrbios mentais, sem nenhuma conotação política. Um homem que exigia ver a jornalista Renata Vasconcellos. Seguindo instruções do comandante Heitor, Renata compareceu ao local onde estava Marina e o invasor. Tão logo ele a viu, largou a faca e libertou Marina. Foi preso imediatamente. A TV Globo agradece à PM, ao coronel Heitor e a todos os policiais, cuja condução foi exemplar. Marina se comportou com coragem, serenidade e firmeza, sendo fundamental para o desfecho da situação. Renata foi corajosa, desprendida, solidária e absolutamente imprescindível para que tudo acabasse bem. As duas profissionais estão bem. E foram recebidas pelos colegas com carinho e emoção”