Casos de PolíciaComando VermelhoDenunciainvestigaçãotráfico de drogas e armas

Investigação destrincha quadrilha de Beira-Mar que age em Caxias. Traficantes mataram dois policiais, se exibiam armados na Internet e realizavam baile com camarote a R$ 1.000

nvestigação que resultou na denúncia contra 27 traficantes revela a estrutura do tráfico no chamado Complexo Beira-Mar, em Duque de Caxias, domínio do narcotraficante Luiz Fernando da Costa, o Fernandinho Beira-Mar. 

Dividem o comando das comunidades os traficantes Beto Canalha, Zé Galinha e Babuíno sendo os gerentes Diretor, Maridão, Sheik, Marcos André e Cirilo,  os seguranças GB , Bodão, Paulo Vinicius, DG, Luan, Jocemar, Zangadinho, Lucas,  Jonathan, Rodrigo dos Santos, Beik, Douglas, Edson e Canjica. Fazem parte da quadrilha ainda Ivani, Vitória, Thiago, Wagner e Stefani.   

Os traficantes possuem grupos de WhatsApp com fotos de avatar de Fernandinho Beira-Mar.

Beto Canalha atua mais especificamente no Jardim Gramacho. Consta que ele, Canjica, Zé Galinha, Maridão e Babuíno foram indiciados no inquérito que apurou a morte do PM Gláucio Misael da Costa, em 2019, e na tentativa de homicídio contra três outros agentes. 

Interceptações revelaram conversas entre os bandidos falando do crime. ‘Matamos um cana, que já caiu arriado’. Nas escutas, os bandidos falaram que havia comparsas baleados na ação e que existiriam enfermeiros e médicos dentro das comunidades para socorrê-los. 

Em outra interceptação, os bandidos planejavam mais mortes de PMs. ‘Estou na pista boladão doido pra matar polícia e matar alemão safado’. 

Zé Galinha conta com mais de 32 passagens nos registros policiais, sendo a maioria deles de roubo, havendo tráfico e homicídio e figura gura como um dos líderes do tráfico no Parque das Missões, 

Babuíno também lidera na Parque das Missões e é desde 2004 homem de confiança de Fernandinho Beira-Mar. Sua irmã, Jucimar chegou a ser presa pela Polícia Federal na via Dutra, na altura de Volta Redonda – RJ, acusada de viajar com U$$ 463 mil que seriam utilizados para adquirir cocaína na Bolívia. 

Diretor foi vítima de uma extorsão mediante sequestro, conforme registro de ocorrência 907-00075/2018, certamente por criminosos (milicianos ou agentes policiais) que sabiam da sua posição de liderança no tráfico de drogas do Parque das Missões. 

 Ouvido em sede policial, embora tenha relatado não ter efetuado nenhum pagamento aos criminosos, é bem provável que o ´tráfico´ tenha cumprido com a exigência dos sequestradores, fato que não poderia ser relatado por não ter o Investigado como justificar a posse de tais recursos e porque o pagamento, de certa forma, significaria autoacusação como criminoso. 

Diretor também fazia postagens relacionadas ao tráfico no Twitter. Em  Em postagem datada de 19 de janeiro de 2021, ele e Cirilo estavam portando pistola na cintura em festa em comemoração ao seu aniversário

 O seu apelido na rede social carrega uma bandeira da ´Polônia´, que é o apelido criado pela facção que atua naquela região para se referir àquela localidade.  Suas mídias revelam constantes homenagens a traficantes mortos.

Sheik é acusado de participar do latrocínio que vitimou o policial militar Cristiano Nataliano Cesar Boneta, fato ocorrido no Arco Metropolitano, altura de Japeri – RJ, em 2019. 

Marcos André é filho de Marquinho Playboy, que era braço-direito de Beira-Mar e foi morto em confronto com a polícia em 2015.

  GB´ utiliza sua conta no Twitter em reiteradas postagens com expressa referência aos crimes praticados pelo grupo investigado.  Em várias delas, aparece exibindo fuzis. Há mensagens, inclusive com traficantes do Complexo da Maré, demonstrando assim uma ligação direta do tráfico do Parque da Missões com outras favelas na Maré, como a Nova Holanda. 

O traficante Canjica Canjica é do Complexo da Maré, da Nova Holanda, entretanto, tem acesso livre a Duque de Caxias, principalmente pela rota marítima, onde costuma frequentar o Baile da Polônia. 

  Os ´bailes´ organizados pelos líderes do tráfico daquela localidade, que visam potencializar seus lucros com venda de drogas e bebidas, ocorrem aos finais de semana, são identificados como ´baile da Polônia´ Em postagem feita no ´stories´ da rede social Twitter, ´Canjica´ aparece portando fuzil no evento.

Esses bailes costumam ficar lotados, ocorrem há anos, sem qualquer reprimenda ou controle por parte das instituições. Camarotes para 10 pessoas são negociados por até R$1.000,00. 

Traficantes do Complexo da Beira-Mar, mais especificamente do Parque das Missões, são responsáveis pela venda de drogas no município de Arraial do Cabo, entre eles Zé Galinha. 

Mostrar mais
Botão Voltar ao topo