Casos de Políciainvestigaçãomilícia

Investigação que terminou com dois condenados este ano revela que milícia em Itaguaí tinha mais de 100 integrantes. Comerciantes só podiam comprar água e gás e água com a quadrilha. Do contrário, tinha a loja fechada. Testemunhas que prestaram depoimento contra foram executadas

Uma investigação iniciada em 2019 e que terminou com a condenação de dois milicianos este ano relata que o grupo paramilitar que age em Itaguaí conta com mais de cem integrantes.


Segundo a apuração, a organização cobra em todos os bairros em que não há tráfico de drogas, lucrando com taxas impostas do comércio, venda de água, gás, entre outros.


Os comerciantes são obrigados a comprar gás e água com a organização e, caso não comprassem, o comércio deles era fechado e a mercadoria confiscada.


O bando também explorava serviços de internet; que houve um registro de ocorrência em que os milicianos queimaram o carro de uma outra empresa de internet.


Os paramillitares utilizavam carros clonados e aparatos militares como armas, colete balístico, calças de combate e fardas militares.

Os comerciantes não colaboram com as investigação por medo; que, em alguns casos, pessoas que prestaram depoimentos foram executadas.

Os dois paramilitares condenados este ano pegaram uma pena de seis anos e dois meses de prisão.

Mostrar mais
Botão Voltar ao topo