Amigo dos AmigosCasos de PolíciaComando VermelhoGuerra entre facçõesinvestigação

‘Jhonny Bravo era frouxo e gostava de se preservar’, diz PM que se infiltrou na quadrilha da Rocinha

A mania atual de se exibir em vídeos desfilando com seguranças armados de fuzil ou em fotos pela Internet não era bem a de Jonh Wallace da Silva Viana, o Jhonny Bravo, quando assumiu a condição de frente do tráfico na Favela da Rocinha, na Zona Sul do Rio.

“Jhonny era frouxo e gostava de se preservar”, esse foi o relato de um policial militar que se infiltrou na quadrilha para investigá-la no início da década passada.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE

Por conta desta investigação controlada, o PM chegava a receber propinas de traficantes e disse que Jhonny nunca chegou a lhe dar dinheiro por sua postura discreta na época.

Bravo assumiu a condição de frente na Rocinha depois da prisão de Antônio Francisco Bonfim Lopes, o Nem, em 2011. Ele se reportava diretamente à mulher do chefão, Danúbia da Silva Rangel, que repassava as informações para Nem. Na época, a favela era dominada pela facção criminosa Amigos dos Amigos (ADA).

Um outro policial militar contou ter chegado muito perto da prisão de Jhonny Bravo. Ele localizou a casa onde ele morava. Bateu na janela e a esposa dele atendeu e disse estar com o marido, mas depois informou que estava com o filho. O agente pediu para que ela chamasse o marido e ela ficou meio na dúvida; Que depois de um tempo passou o Jhonny correndo com um fuzil na mão e uma mochila por trás dela; Que quando entraram na casa ele já tinha fugido pela cozinha com um fuzil AK-47.

CONTINUA APÓS A PUBLICIDADE
Mostrar mais
X
Botão Voltar ao topo