Casos de Políciahomicídioinvestigaçãomilícia

Jovem que entrou para o tráfico, teria sido ameaçado de morte por supostos PMs e acabou assassinado pela milícia do Quitungo

Lucas Gabriel Leite da Silva se revoltou por não ter sido aprovado para servir às Forças Armadas e decidiu entrar para o tráfico no Morro do Juramento, em Vicente de Carvalho, na Zona Norte do Rio.


Semanas depois de ingressar no crime, teria sido ameaçado de morte por supostos PMs e acabou assassinado. O corpo foi encontrado em um valão na Rua Antônio João, bairro de Cordovil em 28 de junho do ano passado 

Os principais suspeitos do crime são milicianos da comunidade do Quitungo, em Brás de Pina. Respondem pelo crime os paramilitares de vulgos Taca Bala, Irmãos Menezes (Magrão e Morte Certa), Cacau e um conhecido por Luiz Cláudio. Todos foram denunciados. Um suspeito do crime foi preso em maio.


´ De acordo as declarações prestadas pela mãe da vítima, Lucas não pertencia a nenhuma organização criminosa, embora tenha resolvido entrar para o tráfico de drogas do Juramento, duas semanas antes de ser executado, em razão de se sentir revoltado por ter sido considerado inapto para servir as Forças Armadas. 


Relatou que a atuação no tráfico de drogas não durou muito tempo, mas, durante o período que esteve junto aos traficantes da localidade, a vítima teria sido abordada por supostos policiais militares da UPP do Complexo da Penha, detido, levado à 27ª DP e, após, liberado, sendo ameaçado pelos policiais que teriam dito: ´Se você não morre no Quitungo, você vai morrer dentro de casa, porque a gente sabe onde você mora e vamos tirar você de dentro de casa e te matar”


Acrescentou que a vítima, após sair da delegacia, informou aos traficantes que os policiais haviam pego o seu celular teriam feito várias ligações. 
Disse que teria conversado com seu filho para que ele não frequentasse mais a localidade do Quitungo porque os mesmos policiais que o haviam detido, trabalhavam para os milicianos atuantes naquela área. 


Falou que, após a morte de seu filho, obteve informações por moradores do Quitungo que os milicianos haviam executado seu filho. 
Soube que os milicianos conhecidos como Irmãos Menezes teriam organizado e ordenado a execução da vítima, sendo os executores os milicianos Andrezinho Baião, Jaime e Cacau.
 Alegou que, atualmente, reside em outro endereço com medo de sofrer represálias.


A irmã, em relação ao fato da vítima ter ficado pouco tempo no tráfico do Juramento, facção criminosa do Comando Vermelho, por ter sido considerado inapto o para o Exército, e que teria sido abordado por policiais e que estava sofrendo ameaças de supostos policiais militares.


Soube que seu irmão foi alvejado por disparos de arma de fogo por vários indivíduos, que estavam em um veículo de cor branca, marca Renault Logan, sendo comentado que a vítima teria sido retirada de uma Lan House que fica na Comunidade do Quitungo. 


Com efeito, a dinâmica da conduta imputada aos réus é extremamente grave, eis que, conforme consta dos autos, os ´Irmãos Menezes´, ambos 3º Sargentos da PMERJ, inativos, orquestraram a execução da vítima Lucas Gabriel Leite da Silva, sendo os executores Rodrigo Padilha de Souza, Andrezinho Baião e Jaime Luciano, que transitam pela localidade do Quitungo, portando a armas de fogo, extorquindo moradores e comerciantes. 


De acordo com as informações apuradas sobre a investigação, existe uma milícia na localidade do Quitungo, sendo o acusado´Taca Bala´, apontado como um dos chefes da referida Milícia. Conforme relatado, o acusado Fabio teria se unido aos Irmãos Menezes e a´Cacau´, formando assim a Milícia atuante na Comunidade do Quitungo. 


Extrai-se dos autos que, investigando a estrutura organizacional da Milícia do Quitongo, foi apurado que Cacau ´Cacau´, Jaime Luciano e Luiz Claudio r exercem a função de arrecadação de valores extorquidos das vítimas. 


Registre-se, ainda, que constam informações que a Comunidade do Quitungo vem sofrendo uma intensa disputa de território entre a milícia e o Tráfico de Drogas da facção Comando Vermelho dos morros da Fé e do Sereno.

Processo No 0058998-55.2020.8.19.0001

Mostrar mais
Botão Voltar ao topo