Casos de PolíciainvestigaçãoTerceiro Comando Purotráfico de drogas e armas

Justiça diz que traficante que retirou tornozeleira eletrônica permanece comandando a Vila Aliança (TCP). ‘Arregimenta homens e armas para controle da localidade’

Documento da Justiça de 28 de outubro de 2021 aponta que Rafael Alves, o Peixe,  continuaria à frente do tráfico de drogas no Complexo da Vila Aliança, na Zona Oeste do Rio, arregimentando homens e armas para o controle territorial na localidade, além de possuir alto poder aquisitivo, custeando tratamento médico particular. 


O relatório chama a atenção para seu histórico de corrupção passiva, visando corromper policiais corruptos.


Ele tem condenação por 13 anos pela prática de crime de associação para os fins de tráfico e corrupção ativa sendo apontado como um dos principais líderes da facção criminosa Terceiro Comando Puro (TCP).


Após ter ganho direito de saída extramuros da prisão, empreendeu fuga ficando por quase seis anos consecutivos foragido, sendo recapturado e indo para a Penitenciária Federal do Mato Grosso do Sul. 

Peixe teve  revogado o direito da prisão albergue domiciliar em setembro do ano passado em razão de ter retirado a tornozeleira eletrônica. Ele havia recebido o benefício para tratar de uma doença grave:  a anemia falciforme


 A defesa alegou que Peixe rompeu o equipamento e pediu que outrem o levasse para a comunidade Vila Aliança, aduzindo que lá estaria a salvo de supostos sequestros, prisões arbitrárias e tentativa de extorsão.   

 Consta a informação da Central de Monitoração Eletrônica do Patronato Magarinos Torres que Peixe não entrou em contato com o Serviço de Monitoração Eletrônica para justificar a transgressão. 

Segue link com o documento:

http://www1.tjrj.jus.br/gedcacheweb/default.aspx?UZIP=1&GEDID=0004CD12E79D99A1FA529698BE74A42359ACC5101C582657

Mostrar mais
Botão Voltar ao topo