Casos de PolíciainvestigaçãomilíciaOperação Policial

Milícia que paga propina a PMs e é aliada do tráfico é alvo de operação em Nova Iguaçu

O Ministério Público do Estado do Rio de Janeiro (MPRJ), por meio do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (GAECO/MPRJ), e a Polícia Civl, por meio da Delegacia de Homicídios da Baixada Fluminense (DHBF), realizam nesta quinta-feira (27/08) a operação “Consagrado” para cumprir 32 mandados de prisão preventiva e 71 de busca e apreensão contra uma organização criminosa que atuava como milícia em Nova Iguaçu. A ação conta com o apoio da Coordenadoria de Segurança e Inteligência (CSI/MPRJ). A investigação também apontou indícios de uma aliança entre a quadrilha e uma facção do tráfico de drogas, formando uma narcomilícia


A denúncia oferecida à Justiça relata que a organização é estruturada e possui dimensões consideráveis, atuando de forma setorizada, mediante a prática de crimes como homicídios, roubos, extorsões, estelionatos, dentre outros, com o objetivo de obter vantagens financeiras,  domínio do território e imposição de força. Há nos autos da investigação registros de que o grupo exigia “taxa de segurança”, bem como pagamento de quantias por mototaxistas, para que estes pudessem circular livremente e, ainda, monopolizava o fornecimento de água e cesta básica, além de impor serviço clandestino de TV a cabo e internet.

As investigações se iniciaram em agosto de 2019, a partir de um duplo homicídio ocorrido em Austin, Nova Iguaçu. Ao longo da apuração diversas diligências foram realizadas, como apreensões, prisões e oitivas de testemunhas que propiciaram a descoberta de vários indícios da prática do crime de organização criminosa. A denúncia contra a quadrilha aponta como lideranças do grupo Vladimir Guimarães Ferreira, o ex-policial militar Luiz Fernando Cardoso de Loiola, vulgo Nandinho, e Luiz Carlos Pereira dos Santos Cruz, vulgo Nem Corolla.


Também ficou comprovado que a organização criminosa realizava o pagamento de propina a policiais militares lotados no DPO de Austin, regularmente, para que esses deixassem de repreender as ações delituosas do grupo. A investigação apurou que dentre os agentes que recebiam tal propina estão os policiais militares agora denunciados Julio Cesar de Oliveira Silva e Eduardo Oliveira dos Santos, vulgo Dudu. Os dois também foram denunciados por organização criminosa e corrupção passiva.

As denúncias contra os milicianos e PMs foram recebidas e os mandados expedidos pela 1ª Vara Especializada de Crime Organizado e pela Auditoria Militar do Tribunal de Justiça.

Mostrar mais
Botão Voltar ao topo