Mortes por encomenda do Escritório do Crime valiam até R$ 1,5 milhão

Segundo reportagem do jornal O Globo, os integrantes do Escritório do Crime Organizado cobravam de R$ 1 milhão a R$ 1,5 milhão pelos assassinatos por encomenda que cometiam.

Eles foram alvos hoje de uma operação conjunta da Polícia Civil e do Ministéro Público Estadual.

Os irmãos Leonardo, o Mad, e Leandro Gouvea da Silva, o Tonhão, foram presos. Eles eram as principais lideranças da organização.

Mad herdou o comando do grupo com a morte do capitão PM Adriano Magalhães da Nóbrega.

A polícia descartou a possibilidade de o grupo de matadores estar envolvido nos assassinatos da vereadora Marielle Franco e do seu motorista Anderson Gomes, em março de 2018. A quadrilha chegou a ser investigada pelo crime.