Casos de Políciahomicídioinvestigaçãomilícia

Mulher é suspeita de pedir a milicianos para executar ex-namorado que não a deixava em paz

A milícia de Vargem Grande, na Zona Oeste do Rio,  executou um rapaz em abril porque a ex-namorada dele falou que ele não a deixava em paz.

O crime ocorreu em 18 de abril. Foi instaurado Inquérito policial para apurar o crime de homicídio contra a vítima Daniel Rangel da Silva na Estrada dos Bandeirantes nº 28.135 – D, Vargem Grande. Ele foi alvo de disparos de arma de fogo que foram a causa efetiva de sua morte.
Dois homens e uma mulher tiveram as prisões temporárias decretadas pelo crime.


De acordo com as investigações, a vítima estava na Estrada dos Bandeirantes quando foi surpreendida por um veículo Mercedes em que um de seus ocupantes abaixou o vidro do carro e desferiu disparos de arma de fogo contra Daniel.

Foi apurado que uma ex-namorada da vítima teria amizade com milicianos da localidade, havendo relatos de populares que esses amigos teriam ameaçado Daniel anteriormente, indo, inclusive, no portão de sua casa, armados.

Segundo os autos do inquérito policial, os executores da vítima seriam  os paramilitares de vulgos Canela e LK, sendo destacado por uma das testemunhas que ´Canela´ teria matado a vítima porque a ex-namorada teria feito queixas a ele de que Daniel não a deixava em paz e queria seguir a vida com o atual companheiro.


Ressaltou ainda a testemunha que a mulher tinha um filho com um dos milicianos acusados da execução e que não tem dúvidas de que os paramilitares executaram a vítima, sendo a mulher, a mandante, pois, no dia anterior ao crime, gritou para todos em via pública ´que acabaria com a vida de Daniel´.

A referida testemunha reconheceu, em sede policial os indiciados como sendo os executores do crime e disse temer por sua vida já que, conforme informado nos autos, os indiciados, em tese, fazem parte de uma organização criminosa (milícia) com ramificações em diversas comunidades de Vargem Grande e Recreio dos Bandeirantes.

Mostrar mais
X
Botão Voltar ao topo