Casos de PolíciaDenunciaGuerra entre facçõesmilícia

Os bastidores da guerra em Jacarepaguá – PARTE 3 (Os golpes na Gardênia e a entrada de Ecko na briga)

Na carta supostamente escrita pelo miliciano, ele conta sobre golpes que foram praticados na Gardênia Azul.

Por conta de fotos sem roupa enviadas pela esposa de um dos chefes da milícia para outros paramilitares, um dos integrantes da quadrilha procurou o grupo da Curicica que, por sua vez, manteve contato com Macaquinho.


O líder da Praça Seca ordenou que saíssem da Gardênia todos os membros do grupo de Leandro Gargalhone e a gangue da Curicica passou a dominar a localidade.


Entretanto, André Boto e Tenente entraram em contato com Wellington da Silva Braga, o Ecko e com ajuda dele tomaram a Gardênia e deram golpe no Macaquinho. 


Ecko teria dado dinheiro (R$ 500 mil) para transferir os antigos donos de Curicica para um presídio de segurança máxima onde não poderiam fazer contatos. 


Ecko teria reunido vários milicianos em Santa Cruz e decidiram não ter mais aliança com Macaquinho e que Curicica e Gardênia passariam a ser do comando do chefão da Liga da Justiça.


Com a entrada de Ecko na Gardênia, o grupo de Gargalhone teria voltado a mandar na comunidade. 


 O miliciano escreve na carta que torce por uma reconciliação entre Ecko e Macaquinho e que está sendo ameaçado dentro da cadeia. 

Mostrar mais
Botão Voltar ao topo