Casos de PolíciaComando VermelhoPrimeiro Comando da CapitalPrisão

Presa advogada que foi elo entre o PCC e o CV e era procurada há anos. Trazia cartas a Marcinho VP

Policiais Militares da Superintendência de Inteligência e Análise – SIA da Coordenadoria de Polícia Pacificadora – CPP -, juntamente com a Polinter, através de Dados de Inteligência, e algumas informações repassadas pelo Disque Denúncia (2253-1177), prenderam na noite desta sexta-feira (15), a advogada foragida da Justiça, Elker Cristina Jorge de Oliveira, de 51 anos. 

Ela foi localizada e presa, na Região dos Lagos em uma residência e, é acusada de ter atuado como “Pombo Correio” entre os presídios federais do Brasil, levando mensagens entre criminosos do Comando Vermelho – CV – e do Primeiro Comando da Capital – PCC-, e atuou como advogada de diversos traficantes do Complexo do Alemão e do Morro do Vidigal. Ela estava sendo monitorada pela Polinter e pela SIA/CPP em um trabalho integrado entre as instituições, que montaram uma operação de inteligência nesta sexta-feira.

Elker Cristina, foi alvo de um inquérito federal no ano de 2007 e 2009, onde foi monitorada e presa em flagrante, em março de 2009, após fazer mais de 70 visitas no presídio federal de Catanduvas e em sua posse foi encontrada uma carta de acordo entre o PCC e o Comando Vermelho, rompidos há aguns anos…

Pelo vidro do parlatório, ela mostrou a carta ao traficante Marcio dos Santos Nepomuceno, o Marcinho VP, que depois foi rasgada. Os agentes penitenciários recolheram os papéis picados e recuperaram o documento. Era uma carta enviada da penitenciária de segurança máxima de Presidente Venceslau, em São Paulo, onde está a cúpula do PCC.

Ela foi solta em julho de 2009, após se beneficiar com um habeas corpus dado pela 6ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ), e deixou o Presídio Talavera Bruce, no Complexo de Bangu. Contra a advogada havia dois Mandado de Prisão, relativo ao crime de tráfico, expedido pela 4° Vara Federal Criminal de Cascavel, no Estado do Paraná.

A ocorrência foi conduzida à Polinter, onde foi cumprido os mandados de prisão e tomadas as medidas cabíveis. A detenta será levada para uma unidade prisional, onde ficará à disposição da Justiça.

A ação não resultou em qualquer efeito colateral, não havendo a vitimização de civis inocentes ou agentes do Estado. Com essa prisão a SIA/CPP contabiliza 109 criminosos monitorados e presos e 31 armas  aprendidas no ano de 2021.

Mostrar mais
Botão Voltar ao topo