Casos de Políciahomicídios

Quadrilha de Fernando Iggnácio matava PMs. Até adolescente foi morto

Uma série de homicídios ou tentativas ocorreram na primeira década do século atribuídas a quadrilha do contraventor Fernando Miranda de Iggnácio, assassinado nesta terça-feira (10), no Recreio dos Bandeirantes, na Zona Oeste do Rio.


Fernando, por exemplo, foi acusado de tentar matar o sargento da Polícia Militar Edmilson de Souza Pinto, o cabo Jorge Feliz e André Vicente. As vítimas estavam numa oficina de carros em Bangu.  

O bando também foi acusado do homicídio do cabo da Polícia Militar Marcos Simão, assassinado no dia 10 de outubro de 2006, em Jacarepaguá, Zona Oeste do Rio, quando estava indo prestar depoimento em uma sindicância. Ele foi morto  mando de Fernando Iggnácio, em retaliação a um ataque que o PM teria feito na sua área de atuação de caça-níqueis no dia 4 de outubro de 2006.  

Outra vítima foi Manoel dos Santos Filho, conhecido como Manoel Marreta. Ele foi morto em 21 de outubro de 2006 em represália por estar supostamente destruindo máquinas caça-níqueis do grupo de Iggnácio. 
Constam em investigações o envolvimento da quadrilha  o envolvimento no homicídio do PM Michele Aurelio Lo Monaco e na tentativa de assassinato do bombeiro Carlos Cesar Arraes Tavares, conhecido como Tio Chico,  em 31/10/2006.  Chico era colaborador de Rogério Andrade, rival de Iggnácio.

Consta também que a quadrilha foi a responsável pelo assassinato do adolescente Marcos Thiago Antonio Domingos e o atentado contra Williams Lima de Souza.

Mostrar mais
Botão Voltar ao topo