Casos de PolíciaDenunciaGuerra entre facçõesmilícia

Relembre como se deu a ‘treta’ entre Ecko e Tandera

Wellington da Silva Braga, o Ecko e Danilo Dias Lima, o Tandera, se desentenderam em razão de dois milicianos Fofo e Fabinho Gordo, que teriam falado para Tandera que Ecko seria viciado em drogas e homossexual .e que isso poderia estar tirando todo o prestígio e respeito que a milícia havia conquistado durante décadas de atuação, razão pela qual Danilo deveria assumir a liderança da organização.

Circulou que Ecko teria ligado para Danilo e pediu clemência. Disse que não queria guerra, mas que precisava dos 38 fuzis emprestados de volta.

Tandera, debochando de Ecko, mandou que este fosse até a Baixada buscar as armas, mas já sabendo que Ecko nunca iria lá com medo de morrer.

Tandera teria tentado integrar ao seu exército de homens que eram da equipe do Ecko, tais como Garça, Waguinho e alguns homens da comunidade do Barbante, em Campo Grande.


Por conta também de um suposto empréstimo de armas não devolvidas, houve também o rompimento entre Ecko e Edmílson Gomes Menezes, o Macaquinho, que domina áreas na Praça Seca e Campinho.  

Macaquinho e Tandera teriam se unido após a briga com Ecko e juntos atuaram na guerra pelo controle do Morro da Barão, na Praça Seca.


O próprio Tandera teria convencido a Macaquinho a pedir os fuzis para Ecko e não devolver. Teria sido pelo menos 12 armas. 


O grupo de Ecko chegou a expulsar os homens de Macaquinho da Gardênia Azul, em Jacarepaguá.


O bando de Ecko, junto com as milícias de Curicica, Gardênia e Covanca, chegaram a atacar a Praça Seca mas não ficaram.


Ecko também se aproximou de um miliciano que antes era visto como inimigo: Reginaldo Martins do Nascimento, o Naldo da Carobinha.


Outro rumor que surgiu foi de uma possível rivalidade entre Ecko e Orlando Curicica. Ano passado, três milicianos foram presos em Itaboraí se dizendo empregados de Ecko. Tempos depois, a polícia descobriu que eles estavam mentindo, trabalhavam para Curicica e queriam incriminar Ecko.

Este ano, um homem considerado braço-direito de Tandera foi preso acusado de atuar na milícia de Itaboraí. Ele também já havia trabalhado para Curicica.

Mostrar mais
Botão Voltar ao topo