Casos de PolíciaComando VermelhoDenunciaGuerra entre facçõesinvestigaçãoOperação PolicialPrisãoTerceiro Comando Puro

Traficante da Rocinha começou com 16 anos no crime, galgou posições e se tornou gerente do pó ganhando R$ 10 mil por semana

Um gerente do tráfico na Favela de Rocinha chega a faturar R$ 10 mil por semana.
O relato foi feito pelo criminoso de vulgo Menor W, preso em 2020 durante uma tentativa de invasão ao Complexo de São Carlos. 

Ele exercia a função de ´gerente do pó de 10 e tinha direito até a segurança particular.

Ele era associado ao tráfico  desde que tinha 16 anos de idade (ano de 2008).
Ao longo de sua ´carreira´, foi subindo na hierarquia do tráfico até galgar a posição atual.

Por conta de sua prisão, Menor W foi condenado em dezembro a cinco anos e quatro meses de prisão em regime semiaberto juntamente com outros quatro comparsas que pegaram a mesma pena. 

Todos foram pegos com pelo menos cinco pistolas, além de carregadores e munições.

Um outro deles de vulgos Suspeito ou VN era gerente da segurança de John Wallace da Silva Viana, o Johny Bravo, um dos líderes do tráfico na Rocinha.
Os autos informaram que na época 25 traficantes deixaram a Rocinha em direção ao Morro dos Prazeres, no Rio Comprido, para participarem do ataque ao São Carlos. 

  Durante o trajeto, que foi feito a bordo de diversos veículos roubados, mais precisamente na Lagoa Rodrigo de Freitas, antes da entrada do Túnel Rebouças (no Viaduto Saint Hilaire, na pista sentido Centro), houve intensa troca de tiros entre alguns traficantes e policiais, sendo que um homem, identificado com um dos ´seguranças´ de Jhonny Bravo´,

O referido traficante, que usava roupas camufladas, portava, no momento de sua prisão, um fuzil, 614, munições de fuzil, uma pistola Glock calibre 40 e 13 munições do respectivo calibre, duas granadas, um telefone celular e um rádio transmissor. 
A troca de tiros no bairro da Lagoa, numa tarde de quarta-feira, aterrorizou os motoristas e pedestres que transitavam pelo local. 

O ´bonde´ da Rocinha conseguiu chegar até o Morro dos Prazeres, onde foram recebidos pelos ´frentes´ do local, os traficantes de alcunha ´Jiló´ e ´Macumba´. 
Além dos chefes, havia muitos ´soldados do tráfico na  comunidade, dentre eles o denunciado.

 Do Morro dos Prazeres os criminosos partiram, em veículos diversos, para o Complexo do São Carlos. 

Lá chegando, eles enfrentaram uma intensa troca de tiros com seus rivais, o que os compeliu a fugir para a parte alta da comunidade. 

Nessa parte mais alta, que é uma zona de mata, eles se homiziaram até às 10h00min do dia 27 de agosto de 2020, quando enfim resolveram descer para a parte baixa da comunidade. 

Lá chegando, mais precisamente em uma vila de casas situada na Rua Azevedo Lima, os denunciados invadiram uma residência, na qual morava um senhor de aproximadamente 60  anos de idade. Momentos após, eles foram surpreendidos por policiais militares do Batalhão de Choque da Polícia Militar, que fizeram um cerco à residência. 

Nesse momento, os denunciados fizeram o idoso de refém, dizendo aos policiais que deixariam o morador sair vivo, caso lhes fossem garantidas as suas próprias vidas, o que foi de pronto acatado pelos agentes. 

Logo em seguida, o senhor foi libertado e os denunciados se renderam, com as mãos sobre suas cabeças, posicionando-se no corredor da aludida vila. 

Logo após ser libertado, o idoso fugiu desesperado do local. Após deter os denunciados, os policiais militares adentraram a casa, e, ao se dirigirem ao cômodo onde os denunciados se homiziavam, apreenderam as armas de fogo, munições, carregadores e uma mochila, que haviam sido deixados no chão pelos criminosos.

Mostrar mais
Botão Voltar ao topo