Casos de PolíciaOperação PolicialTerceiro Comando Puro

Traficante preso em Bangu 4 apontou ligação de policiais com o TCP

Um traficante preso na penitenciária Bangu 4, na Zona Oeste do Rio, foi flagrado em escutas mencionando que PMs estariam envolvidos com traficantes ligados à facção criminosa Terceiro Comando Puro (TCP).


A interceptação faz parte de um processo que vai julgar integrantes do TCP que atuam no Complexo da Maré, na Zona Norte, e em favelas de Senador Camará, na Zona Oeste da Capital. A ação tramita desde 2018 na 20ª Vara Criminal da Capital. 


Os autos que foram publicados no site do TJ-RJ não revelam, no entanto, nomes de policiais que poderiam estar envolvidos com os bandidos. 


O traficante que falou sobre a possível ligação dos PMs é conhecido como Isac. Ele estaria encarregado de repassar as ordens para os demais associados em liberdade, com o objetivo de tomar território de facção criminosa rival. 


Isac transmite recados de outro traficante, de vulgo Galo, que era uma liderança na Maré, e que também está preso em Bangu 4. Bruxo está detido desde 2017 quando foi flagrado deixando a comunidade Vila do João.


Os autos mencionam ainda o criminoso de vulgo Leo, atuante em Senador Camará,  o qual gerencia e realiza remessa de drogas para o município de Teresópolis, na Região Serrana, bem como realiza cooptação de pessoas para o exercer a mercancia de entorpecentes ilícitos na cidade.


O traficante de vulgo Grafite também foi flagrado em escuta encomendando material entorpecente na comunidade da Maré para revendê-lo no bairro da Pavuna e imediações.


A investigação começou depois de apreensão do telefone celular de um bandido conhecido pelo apelido de Coxinha, já falecido, Tocorrida no dia 20.06.2018 durante operação da Polícia Civil na Maré, que visava o cumprimento de diversos mandados de prisão contra traficantes de drogas que lá atuam. 


Por esse aparelho, foram identificados 42 contatos telefônicos com conteúdo criminoso, tais como: comércio ilegal de armas de fogo e drogas, realizado através de conversa do aplicativo ´whastapp´.

Mostrar mais

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo