Casos de PolíciaDenunciainvestigação

Traficantes da Serrinha (TCP) obrigaram construtora a fornecer imóvel a parente. Como ela não pagou e foi expulsa, bandidos invadiram o apartamento e passaram a exigir aluguel dos inquilinos, ameaçando-os de morte se não pagassem

Traficantes do Morro da Serrinha, em Madureira, forçaram um acordo com uma construtora de um condomínio residencial no bairro de Engenheiro Leal permitindo que a empresa construísse o edifício desde que fosse fornecido um imóvel para seus familiares.

A irmã do bandido Chuchu  celebrou contrato de compra e venda de um apartamento, porém não cumpriu integralmente suas obrigações, pois deixou de pagar todas as parcelas acordadas, razão pela qual o contrato foi rescindido.  Ela teve que deixar o imóvel e devolvê-lo para a construtora. 

Entretanto, o filho de Chuchu, Guilherme Correa Augusto e seus comparsas passaram a ameaçar de morte qualquer locatário que tenta residir no apartamento que era de sua tia sem pagar o aluguel diretamente para ele, assim como ameaça invadir o prédio, expulsando todos os moradores.

Ainda, no mês de março de 2020, após a saída do inquilino, o imóvel foi invadido por Guilherme, que colocou no local pessoas de sua relação, quais sejam, uma mulher e um outro rapaz da família dele, sendo certo que nenhum deles paga condomínio ou qualquer outra despesa associada ao imóvel.  

Um inquilino que ocupou o apartamento chegou a pagar dois meses de aluguel por ordem de Guilherme que sempre entrava no condomínio acompanhado de homens armados, inclusive com fuzis.   

Um corretor de imóveis afirmou que foi contactado por um traficante de vulgo Macarrão que disse ter direito a uma unidade no prédio, devido a um acordo que fez com a construtora. Que Macarrão afirmou que era de praxe em todo o empreendimento da região, o fornecimento de uma unidade para a favela.   

Segundo consta dos autos, essas condutas dos bandidos teriam imposto pânico e terror aos moradores do condomínio residencial.

Guilherme foi preso em março.

Mostrar mais
Botão Voltar ao topo