Casos de PolíciaPrisão

Um dos frentes do Jacarezinho (CV) é preso em apartamento de luxo na Barra de frente para a praia

Policiais Civis da DPCA-Rio capturaram o traficante Renan Agrassar Pinheiro, conhecido como RN, dando cumprimento ao Mandado de Prisão Preventiva n° 0060009-76.2018.8.19.0038.01.0001-05, expedido pelo Juízo da 4ª Vara Criminal da Comarca de Nova Iguaçu, referente ao processo n° 0060009-76.2018.8.19.0038, em razão da prática de tentativa de duplo homicídio.

Após um extenso trabalho de inteligência do Setor de Busca Eletrônica da DPCA, foi possível localizar o criminoso foragido frequentando uma das unidades de um condomínio de luxo de frente para a praia, na Avenida Lucio Costa, na Barra da Tijuca.

Depois de três dias de atividade de monitoramento, a equipe de capturas dessa Especializada prendeu RN enquanto organizava uma festa no apartamento de luxo onde estava hospedado junto com outros comparsas também investigados pela Polícia Civil.

No ano de 2018, RN foi até um bar em Nova Iguaçu com outros dois traficantes e atirou contra os clientes do estabelecimento. O criminoso baleou quatro vezes uma das vítimas e acertou outros dois tiros em outro homem. Por fim, ainda atirou na cabeça da primeira vítima e somente parou em razão de ter ficado sem munição.

Segundo as investigações, Renan ntegrava a organização criminosa que explorava, dentre outras atividades ilícitas, o trafico de drogas em Comendador Soares, Nova Iguaçu. Posteriormente, por estar sendo procurado pelos crimes cometidos, passou a se homiziar na Comunidade do Jacarezinho, onde conquistou a confiança dos “chefes” do tráfico da local, Fred e Chico Bento passando a exercer posição de destaque na facção.

Apurou-se também que RN praticava diversos roubos no entorno do bairro do Jacaré.

No mesmo local da prisão e em companhia de Renan, estava Yago Alessandro Fonseca que possui diversas passagens pelos crimes de receptação e furto.

Restou apurado ainda que Yago, em companhia de RN, praticava reiteradamente fraudes através de sites de hospedagem. Os nacionais, com o emprego de cartão “clonado”, alugavam imóveis em bairros nobres da cidade e, ao término da hospedagem, furtavam diversos itens das residências. O cartão fraudulento também era utilizado para as despesas dos autores através de aplicativos de compras. O apartamento onde ocorreu a prisão foi alugado utilizando tal prática.

Com a prisão de RN, as investigações prosseguirão a fim de identificar outros integrantes do grupo criminoso que atua na região, bem como apurar maiores detalhes acerca das fraudes praticadas pela organização criminosa com uso de cartão de crédito “clonado”.

Após as formalidades relativas ao cumprimento do mandado, o autor será encaminhado à SEAP e, posteriormente, apresentado à Justiça.

Mostrar mais
Botão Voltar ao topo