Vítima do Escritório do Crime era amigo de agente penitenciário do bando de Ecko

Marcelo Diotti da Mata, assassinado pelo Escritório do Crime Organizado, tinha relações de amizade com integrantes da Liga da Justiça, milícia liderada por Wellington da Silva Braga, o Ecko.

Em 2014, o agente penitenciário Adalberto Braz Correa Júnior foi parado por policiais rodoviários federais na Rodovia Rio Santos. Marcelo, que o acompanhava, fugiu. Havia uma arma com eles. Ambos eram amigos de infância.

Adalberto exercia o controle da célula do grupo paramilitar responsável por controlar o bairro de Campo Grande, na Zona Oeste do Rio.

Os dois foram acusados de porte ilegal de arma mas acabaram absolvidos.