Depois de cinco anos, PM exclui dupla de agentes acusada de pedir resgate de R$ 1 milhão em sequestro

Dois PMs suspeitos de participarem do sequestro de uma pessoa em 2015 e exigirem R$ 1 milhão para liberá-lo foram excluídos este mês dos quadros da corporação, segundo publicação do Boletim Interno do dia 9 de junho. São eles o cabo Diego da Costa Cabral e o subtenente Glauber Barroso Silva.

Segundo relatório, um dos PMs, Glauber, em conluio com outros criminosos, sequestrou uma pessoa conhecida com Neizinho da Mangueira nas proximidades da comunidade do Jacarezinho, na Zona Norte do Rio e exigiram como condição de resgate no valor de R$ 1.000.000,00 para libertá-lo.

Após pagamento de uma parte do valor exigido, foi marcado um encontro para o pagamento do restante da quantia exigida.

No entanto, após a vítima comunicar o fato a Delegacia Antissequestro, da
Polícia Civil do Estado do Rio De Janeiro, foi desencadeada operação policial que culminou nas prisões.

Durante a operação de cerco, descrita.os policiais civis
avistaram uma viatura da Polícia Militar próximo ao local marcado para recebimento do valor exigido pelos sequestradores.

Diante dessa constatação e desconfiados, os agentes da especializada abordaram a viatura onde se encontrava sozinho o segundo policial suspeito e anotaram a sua matrícula e o número da VTR.

Em sede policial, foi descoberto através de pesquisas e imagens de câmeras no local, que o segundo PM suspeito a todo momento contribuía para o sucesso da empreitada delituosa, dando efetiva cobertura a ação criminosa, sendo verificado que ele entrou no shopping conduzindo a viatura policial, logo atrás do veículo Hyunday, I30, de cor preta que era pilotado por um outro sequestrador.

Diego e Glauber foram condenados pelo crime a seis anos e oito meses de prisão em regime semiaberto.

Ambos negaram as acusações.