BolsonaroPolítica

Quinta demissão surpresa acontece no governo Bolsonaro

O presidente Jair Bolsonaro, mais uma vez, usou o fator surpresa para demitir nesta quinta-feira, 6, o seu quinto ministro.

Apesar dos constantes rumores de baixas no governo, Bolsonaro evita que as quedas vazem à imprensa com antecedência.

Foi o que ocorreu nesta tarde quando a exoneração do ministro Gustavo Canuto foi publicada em edição extra do Diário Oficial da União (DOU).

Desde o final do ano passado, Bolsonaro vinha se queixando da falta de entregas no Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR).

Desde então, a demissão de Canuto, considerado fraco pelo presidente, já era assunto nos corredores do Planalto, mas Bolsonaro preferiu retardar a decisão ao máximo.

Assessores diretos relatam que ele se irrita profundamente com a especulação constante de mudanças no governo e, por isso, costuma deixar suas decisões restritas a um grupo pequeno e considerado leal.

Em entrevista exclusiva ao Estado na quarta-feira, logo após o evento que marcou os 400 dias do governo, Bolsonaro se recusou a falar de mudanças no governo, mas sinalizou que aguardava o “momento ideal”.

Ao ser questionado por que as decisões demoram a ser tomadas, o presidente justificou: “Vocês (da imprensa) nos últimos meses toda a semana mudava um ministro.”

“Tudo o que tiver que mudar em ministérios será mudado na hora certa, e se, e se, tiver que mudar. Nós já mudamos quatro ministros já”, disse. Ao ser questionado por que as decisões demoram a ser tomadas, o presidente justificou: “Vocês (da imprensa) nos últimos meses toda a semana mudava um ministro.”

Ao Estado, Bolsonaro prometeu dar um imediato “cartão vermelho” a ministros que usarem seus cargos e ações do Executivo para se beneficiar eleitoralmente.

Mostrar mais

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Botão Voltar ao topo